Contas separadas é uma necessidade, mas a mistura do dinheiro é uma realidade para muitos empreendedores.

A separação do que pertence à conta da empresa e a conta pessoal é um dos desafios da de qualquer empresa na sua fase inicial. E a duração desse tempo inicial pode variar bastante de uma família para outra.

Certa vez, um jovem que trabalha com os seus pais falou: “O negócio lá é tocado de maneira muito familiar, o que eu considero ruim para o negócio e para a vida pessoal, principalmente na questão das finanças (…) Os meus pais não conseguem separar o que é dinheiro deles e o que é dinheiro dos negócios. Eles não conseguem separar o que lucro do que é salário, para eles é tudo a mesma coisa, é tudo um dinheiro só. Os gastos pessoais – se eles vão viajar, as compras do mês, do supermercado para casa é o mesmo dinheiro que vai pagar o funcionário da empresa” .

E também tem funcionário que conta “ o boleto da escola das crianças, do plano de saúde da família são pagos pela empresa.”

Muitas vezes um negócio em sua fase inicial tem muito mais despesas do que receitas e o empreendedor “precisa pagar para o negócio existir”. Todo o dinheiro sai da conta pessoal, mas esse é o investimento inicial que em algum momento precisa ser retornado ao empreendedor.

É muito importante que as pessoas entendam que salário e divisão de lucros são coisas diferentes. É muito tentador colocar o carro de uso pessoal no nome da empresa – o seguro pode ser mais barato, as multas não vão para o meu nome (e assim não perco ponto na carteira nacional de habilitação), mas é a família quem precisa estar a serviço da empresa e não ao contrário – essa é a principal dica que dou para todas as empresas familiares.

Quando você separa o dinheiro, você pode perceber, por exemplo, que a empresa é sim bastante lucrativa, talvez ela não possa dar conta de um estilo de vida mais sofisticado que você gostaria de ter.

Quando a empresa tem muitos sócios, ela pode não ter folego para pagar as despesas de todos eles. Nas empresas maiores, o carro e o plano de saúde podem ser benefícios para os funcionários e se você deseja que a sua empresa arque com esses custos seria interessante ter uma política bem definida. Ter limites claros e bem definidos é uma outra valiosa dica.

Será que é possível separar a vida pessoal da vida profissional?

A vida profissional está contida na nossa vida pessoal. Uma faz parte da outra e mesmo que você trabalhe em uma empresa familiar, seja empreendedora ou colaboradora de uma empresa, sempre haverá uma interferência.

Como temos papéis e funções diferentes na empresa e na família podemos separar o que pertence a um sistema do que pertence ao outro. Sim. É possível. Contudo, é importante que os limites sejam claros e bem definidos para que a gente consiga fazer essa separação.

Por exemplo, se um membro da família é gerente de RH na empresa e membro do conselho de acionistas, ela tem três papéis com funções bem diferentes. Não pode falar de treinamento e desenvolvimento no almoço de família, da mesma forma que não deve organizar a festa de aniversário das crianças no ambiente de trabalho.

Durante a quarentena, e nesses meses de isolamento social, os casais que trabalham juntos têm vivido situações estressantes. Foi estressante para todos, mas para quem trabalha junto e divide o mesmo tempo foi desafiador.

“Eu trabalho com o meu marido e vivemos uma situação bem estressante. Eram muitas cobranças o tempo todo. ”

Algumas dicas para quem vive essa situação, lembrando de que os limites são fundamentais:

– criar dias e horários para as reuniões de trabalho e que elas tenham uma agenda de temas a serem discutidos;

– ter claro quais são as funções e papéis de cada um, em casa e no trabalho. As pessoas geralmente não estipulam isso, as coisas vão acontecendo, cada um pega para si as atividades que mais gosta de fazer. Quando o volume de trabalho aumenta, com o crescimento da empresa surge a necessidade de organizar melhor as funções, atividades, metas.

– não tomar decisões com a “cabeça quente”. Nos momentos de raiva e irritação, a gente tende a dizer coisas, que geram arrependimentos para um e que o outro nunca vai esquecer.

Se você gostou do post, comente, compartilhe, marque um amigo que possa se interessar por ele.

Dica importante: “Não evite conversas difíceis”

Muitas situações de estresse são causadas porque as pessoas evitam alguns temas importantes. E, muitos dos problemas de relacionamento são causados por dificuldades de comunicação.

Por exemplo, quando a pessoa evita uma conversa, ou um tema delicado, ela comunica que não quer falar sobre aquilo. A comunicação franca, clara e transparente é muito importante em todos os relacionamentos humanos e nas empresas familiares, é fundamental que os membros da família falem sobre seus desejos, suas aspirações e objetivos e, também sobre as expectativas que os pais têm para os seus filhos.

Quando as expectativas são diferentes, as conversas se tornam ainda mais necessárias, pois elas são capazes de:
(i) reduzir os conflitos entre os membros da família,
(ii) promover uma maior cooperação entre sêniores e juniores (pais e filhos) que vão trabalhar juntos pelo alcance de um objetivo comum; e
(iii) criar uma harmonia entre tradição e inovação, sobretudo, quando e se os propósitos, interesses e ideais das diferentes gerações estiverem alinhados.

No trabalho com gerações diferentes (pais e filhos) e /ou com pares (no caso de casais ou irmãos) que trabalham juntos, pode haver a polarização do tema e das ideias. A 2ª figura deste post, passe para o lado para ver a imagem, mostra que “quando um está certo o outro não está necessariamente errado”. Conversar sobre pontos de vistas diferentes pode apresentar uma nova solução que satisfaça às partes envolvidas.

A maior parte do meu trabalho com as famílias tem sido como facilitadora das conversas difíceis com o objetivo de descobrir ou construir o sonho compartilhado pela família.

Se você estiver evitando um tema difícil e quiser trocar uma ideia comigo, envie um email. Muitas vezes, a solução é bem mais simples do que você imagina.

Dados sobre o empreendedorismo no Brasil – Muita atenção ao recorte utilizado na pesquisa

Quem estuda “empresas familiares” e “empreendedorismo” sabe que não existe uma única definição para tais termos e, os resultados de qualquer pesquisa estão sempre relacionados com o conceito utilizado.
Essa é uma premissa básica para analisar os dados de uma pesquisa.

Por exemplo, existe uma pesquisa do IBGE sobre demografia de empresas e estatísticas de empreendedorismo no Brasil, onde são consideradas apenas as empresas formalizadas, inscritas no cadastro nacional de pessoa jurídica (CNPJ) e de alto crescimento (ou seja, com crescimento médio de pessoal ocupado assalariado maior de 20% ao ano, por 1 período de 3 anos).

Existe uma outra pesquisa importante – GEM – Global Entrepreneurship Monitor (Monitoramento Global do Empreendedorismo), realizada em 50 países, que é no Brasil conduzida pelo IBQP – Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade em parceria com o Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.

No GEM, empreendedorismo é qualquer tentativa de empreender, de iniciar um novo negócio e são consideradas todas as ideias, inclusive os negócios não formalizados que ainda não geram renda para o empreendedor e não possui funcionários.

São duas pesquisas de grande relevância para as temáticas envolvidas, mas que, apesar de falarem sobre empreendedorismo trazem dados muito diferentes. Já fiz um post falando sobre o GEM, hoje vou falar sobre o estudo do IBGE.

Demografia de Empresas e Estatística sobre Empreendedorismo no Brasil

O IBGE é o principal órgão de produção e disseminação de informações oficiais do Brasil. Ele segue padrões e metodologias utilizados no mundo inteiro para que as pesquisas possam ser comparadas com as dos outros países.

O objetivo deste estudo Demografia de Empresas e Estatística sobre Empreendedorismo no Brasil é analisar alguns padrões, movimentos de entrada, sobrevivência e saída de empresas brasileiras formais do mercado, utilizando de conceitos definidos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Neste post vou apresentar apenas o dado sobre a sobrevivência das empresas, mas quem tiver interesse pode entrar no site da instituto e ter acesso ao documento por aqui

Para este estudo, empreendedores são necessariamente donos de negócios que buscam gerar valor por meio da criação ou expansão de alguma atividade econômica, identificando e explorando novos produtos processos e mercados.

Como escrevi a cima, as empresas de alto crescimento apresentam crescimento médio de pessoal ocupado, assalariado de pelo menos 20% ao ano por um período de 3 anos e têm 10 ou mais pessoas assalariadas no ano inicial de observação. Dito isso, todas as empresas que não atendem a esses requisitos não estão contempladas nesta pesquisa.

Sobrevivência das empresas

A taxa de sobrevivência das empresas variou ao longo do período estudado. As empresas nascidas em 2008 foram as que apresentaram as maiores taxas de sobrevivência ( 81,5% estavam em atividade após 1 anos e 47,8 % sobreviveram após 5 anos ) e as menores taxas foram nas empresas nascidas em 2013 (com 71,9% após 1 ano) .

Taxa de sobrevivência das empresas (de alto crescimento) criadas em 2012
• 78,9% – após 1 ano
• 64,5% – após 2 anos
• 55% – após 3 anos
• 42,7% – após 4 anos
• 39,8% – após 5 anos

Em outras palavras, apenas 40 % das empresas de alto crescimento, abertas em 2012, estavam em atividade em 2017, o que nos mostra a alta taxa de mortalidade das empresas brasileiras, formalizadas, com 10 ou mais funcionários. Neste estudo não foram apresentadas as causas para o fechamento das empresas, mas a falta de planejamento pode ser uma delas.

Self-made – uma aula de empreendedorismo feminino e “family business”

SELF MADE é uma aula de Empreendedorismo e family business em 4 episódios de 40 minutos, abordando os seguintes temas

Empreendedorismo Feminino com o desejo de aumentar a renda da família e fazer a diferença – mulheres empreendem por um propósito

Empreendedorismo social e o Empoderamento de outras mulheres negras em um ciclo virtuoso

Aqui dois pontos da literatura sobre empreendedorismo feminino:
(1) As mulheres empreendem para aumentar a renda, mas muitas têm um objetivo maior, são motivadas por um proposito maior, querem fazer a diferença. Neste caso, tratar o cabelo das mulheres negras dando lhes dignidade.

(2) Ao mesmo tempo em que o negócio da protagonista tem um propósito, ele empodera as mulheres negras e é um exemplo de empreendedorismo social. É criado, então, um círculo virtuoso, extremamente positivo. Ela devolve a dignidade, cuidando de seus cabelos e aumenta a auto estima das mulheres negras que passam a ser suas funcionárias/ colaboradoras.

Superação de preconceitos vários – gênero, cor e orientação sexual no inicio do sec. XX

É impressionante como ainda hoje vivemos em uma sociedade tão preconceituosa, cheia de raiva e agressividade.

Desafio de equilibrar o tempo para a empresa e para a família

No filme, o marido da empreendedora se sentiu posto de lado, pois, para a sua esposa, a prioridade é a empresa. Montar um negócio não é tarefa fácil, exige muita dedicação, privações e sacrifícios. A família vive isso. Alguns filhos de empreendedores se referem à empresa dos pais, como o “filho preferido”, aquele que recebe todas as atenções.

O principal desafio das mulheres empreendedoras ainda hoje é conciliar o tempo dedicado ao trabalho com aquele dedicado à família. Em muitas casas, ainda hoje, é tarefa das mulheres cuidarem da casa, da comida e das crianças. Os homens ajudam. Bom, esse é um tema super importante e merece um outro texto.

Motivação para empreender e a necessidade de profissionalizar a empresa

A protagonista começa a sua empresa em casa e sozinha. Aos poucos, convida seus familiares a trabalharem com ela. Ao mesmo tempo em que é uma forma de aproximar as pessoas e uma forma de fazer o negócio crescer tendo por perto pessoas de confiança que estão dispostas a para ajudar os empreendedores, muitas vezes até sem salários.

Em várias cenas, todos trabalham na cozinha de casa.

Se você não acredita que esta seja uma realidade hoje, os dados do GEM 2019 mostram que 85% dos empreendimentos brasileiros, são formados apenas pelos empreendedores. Eu costumo dizer que é o bloco do “eu sozinho”. Além disso, o mesmo relatório destaca que mais de 75% dos empreendimentos brasileiros possuem gestão familiar, ou seja, é administrado por pessoas da família.

O negócio/ a empresa começa pequeno, informal e aos poucos cresce. Precisa de mais gente e chega um momento em que é preciso profissionalizar.

Toda empresa familiar nasce do sonho e empenho de um empreendedor, no caso uma empreendedora que deseja passar a empresa para a geração seguinte – legado, herança, tradição, sucessão, herdeiras

Em vários momentos a protagonista pede a sua filha que lhe dê netos, pois tudo o que ela construiu ficará para sua filha e se ela não tiver filhos, não tiver herdeiros, perde o sentido e isso fica mais evidente, quando ela descobre que está doente.

Bom, o desejo de passar a empresa para a geração seguinte é uma realidade para a maioria dos empreendedores e, infelizmente, muitas famílias não conversam sobre a sucessão da empresa, ou o fazem quando o assunto não pode mais ser evitado.

Qual é o melhor momento para se falar sobre a sucessão?

Conheço algumas pessoas que assumiram a empresa da família, de forma abrupta, de repente, após a morte do fundador.

quer comentar sobre este filme  ou sugerir uma outra história?

Motivações para Empreender – novidades no GEM 2019/2020

O GEM 2019 trouxe algumas novidades e considero a principal delas ter ampliado a motivação para empreender. Se até o relatório de 2018 as motivações eram por oportunidade ou por necessidade, agora a pesquisa oferece algumas opções e o empreendedor pode marcar mais de uma opção, a saber:

To make a difference in the world;
To build great wealth or very high income;
To continue a family tradition;
To earn a living because jobs are scarce

 

MOTIVAÇÃO PARA

EMPREENDER  NO BRASIL

   TEA – Taxa TOTAL de empreendimento inicial     TEA Homens   TEA Mulheres
Ganhar a vida

88,4%

86%

90,8%

Fazer a diferença

51,4%

49,6%

53,2%

Construir uma grande riqueza / motivação financeira

36,9%

41,9%

31,8%

Continuar uma tradição familiar

26,6%

28,8%

24,4%

Nesta pesquisa não perguntaram sobre autonomia e independência, pois essas são motivações inerentes ao empreendedorismo.

Em 35 dos 50 países pesquisados, mais da metade dos adultos que empreenderam um novo negócio o fizeram “to earn a living because job scarse”, ou seja,empreenderam porque estavam sem trabalho.  De fato, os países que aparecem entre os mais empreendedores, com as maiores taxas de novos negócios estão na América Latina e no Caribe. Dois terços dos que estão na América Latina e Caribe destacaram essa, como a sua principal motivação.

Os dados globais mostraram que os homens são mais propensos as abrir um negócio por motivação financeira e para continuar uma tradição familiar, isso apareceu em três quintos (3/5, cerca de 60%) das economias pesquisadas.

Já as mulheres parecem ser mais movidas por um propósito – muitas vezes elas iniciam um negócio para fazer uma diferença no mundo.  Em três quartos das economias pesquisas (75%)  as motivações foram “to make a difference in the world” e “to earn a living because Jobs are scarce”.

Atualizações de dados do BRASIL de 2018 para 2019

A taxa de empreendedorismo na fase inicial é de 23,3%, o Brasil ocupa a 4ª posição no ranking das 50 economias pesquisas e o número de homens e mulheres iniciando um novo negócio é muito parecido – 23,5% Homens e 23,1% Mulheres.

Quando o assunto é percentual de empreendimentos estabelecidos, aqueles em que o sócio ou fundador é remunerado por mais de 42 meses, o Brasil ocupa a 2ª posição do ranking com 16,2%.  Neste ponto a diferença entre empreendedores masculinos e femininos é maior e as causas ainda são desconhecidas. – 18,5% homens e 13,9% mulheres.

Sobre a idade dos empreendedores iniciais – eles são muito jovens. De 18 a 24 anos são 24,3%, de 25 a 34 anos são 26,1% e de 35 a 44 são 26,7%.
Apesar dos jovens terem menos acesso a recursos, incluindo aqui capital, conhecimento e experiência, eles têm menos responsabilidades, muitos não têm dependentes, não têm tantas contas e os salários no início da carreira costumam ser menores – fatores que fazem com que os jovens se arrisquem mais

Vale lembrar alguns pontos da pesquisa:

Nesta pesquisa, qualquer tipo de novo negócio é considerado empreendimento – informais, em casa, fazer doce para fora.

O GEM é realizado desde 1999 em cerca de 50 países. Na edição de 2019 foram realizadas mais de 150 mil entrevistas com pessoas entre 18 e 64 anos em 50 países.

Na metodologia adotada, a decisão de empreender é fruto de atitudes individuais, percepções e intenções. Os contextos social, cultural e político podem facilitar, promover ou desmotivar tal decisão.

Referência:
gem-2019-2020-global-report-rev-220420-1587544406.pdf

Toda empresa familiar surge com o sonho e o empenho de um empreendedor

 

 

Toda empresa familiar surge com o sonho e o empenho de um empreendedor.
Para Fernando Dolabela, autor da Pedagogia Empreendedora, o empreendedor tem um sonho e faz de tudo para realizá lo.   Nunca é fácil, exige muita dedicação, muitas horas de trabalho, muitas privações. Contudo, quando dá certo, é literalmente, a realização de um sonho!

Muitas empresas familiares fundadas no pós guerra estão passando para a 2a e a 3a geração e pode ser muito dificil para o herdeiro, no caso o sucessor, dar continuidade ao sonho de uma outra pessoa!

Alguns dados brasileiros recentes, sobre as empresas que são criadas (com até 4 anos), mais de 84% são fundadas apenas pelo empreendedor que, quando não consegue dar conta de fazer tudo sozinho, contrata um amigo ou parente .  No Brasil , cerca de 75% dos negócios são gerenciados por familiares e amigos próximos ao empreendedor/fundador. Dados do relatório do GEM 2018.

No post de hoje vou trazer alguns dados gerais sobre o empreendedorismo no Brasil do GEM 2018 – Global Entrepreneurship Monitor – que é uma pesquisa realizada anualmente em quase 50 países desde 1999. No Brasil a pesquisa é conduzida pelo IBQP – Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade em parceria com o Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.

Para o GEM, empreendedorismo é qualquer tentativa de criação de um novo negócio ou expansão de um movimento existente. Em ambos os casos, a iniciativa pode ser de um indivíduo, de um grupo de pessoas ou por empresas já estabelecidas.
Neste link você encontra o relatório de 2019, com os dados brasileiros da pesquisa de 2018,  e neste outro link , você encontra os dados dos relatórios de todos os anos, inclusive o de 2019/2020 e em todos os países, em inglês

Alguns dados interessantes:

Classificação dos empreendedores -Os empreendedores são divididos em iniciais e estabelecidos e essa classificação está relacionada com o fato do empreendimento já ter remunerado seu sócio ou não e o tempo de remuneração.

Os empreendedores iniciais podem ser nascentes (quando ainda não receberam salários ou qualquer remuneração por mais de 3 meses) e novos (os empreendimentos que já remuneram o seu fundador por um período entre 3 e 42 meses)

Empreendedores estabelecidos – possuem ou administram empreendimentos que já os remuneram de alguma forma por um período superior a 42 meses.
De acordo com a pesquisa a taxa de empreendedorismo total é 38%, ou seja, existe a estimativa de que 52 milhões dos brasileiros entre 18 e 64 anos estavam realizando alguma atividade empreendedora (podia ser atividade principal ou secundária)

Tipo de Propriedade e administração / gestão.
85% dos empreendedores não possuem sócios. Dos 14% dos que afirmaram ter um ou mais sócios, 62,4% disseram que o negócio é em sua maior parte, propriedade de sua família ou de parentes. Em outras palavras, 9,17% dos empreendimentos são familiares.
Com esses dados podemos dizer que o empreendedorismo no Brasil é uma atividade desenvolvida em caráter individual ou familiar. Além disso, na pesquisa foi possível concluir que 74,5% dos negócios são gerenciados pelo empreendedor e /ou por seus familiares,

Investimento / relacionamento com o investidor
Neste ponto percebe-se mais uma vez o caráter familiar do empreendedorismo no Brasil. Mais de 55% dos investidores informam aportar recursos em iniciativas de familiares próximos ou de parentes. Com a nova legislação para os investidores anjo, isso pode mudar.

Motivação Inicial para empreender
A motivação é um dos principais temas da pesquisa. Tradicionalmente os empreendedores são divididos entre os que empreendem por necessidade e os que empreendem por oportunidade.

Empreendedores por necessidade –sobrevivência – aquele que iniciaram um negócio porque não tinham uma alternativa para a sua ocupação ou geração de renda. Com frequência apresenta alguma precariedade na sua condução em função da falta de planejamento, pouco conhecimento do mercado ou experiência previa na área.

Já os empreendedores por oportunidade, como o nome já diz, identificaram uma oportunidade no mercado. Geralmente a sua principal motivação é ser independente ou aumentar a sua renda, está relacionado com a realização pessoal. Dos que empreenderam, 62% disseram ter identificado uma oportunidade.

Não é surpresa que os empreendedores que identificaram uma oportunidade tenham negócios mais duradouros, pois, além de conhecerem melhor o mercado, quem empreendeu por necessidade, pode “abandonar” o seu negócio caso receba, por exemplo, uma proposta de trabalho/ emprego.

As atividades econômicas dos empreendedores – O GEM divide os empreendedores em 4 setores de atividade econômicas (1) setor extrativo, (2) atividades industriais, (3) orientados para o negócio, e (4) orientados para o consumidor final.
No Brasil, os negócios voltados para o consumidor final aparecem em maior número por serem os mais fáceis de criar e, por representarem o tipo de atividade que mais exige personalização, facilita o surgimento de tantos negócios para atender públicos específicos. Além de ser menos sensível a concorrência, apresenta um menor valor agregado, quando comparado, por exemplo, com as atividades industriais.

 

A principal característica das empresas familiares é a proximidade dos sistemas FAMÍLIA E EMPRESA

A principal característica das empresas familiares é a proximidade entre a família e a empresa e, consequentemente, o envolvimento dos familiares no negócio e a influência da família na empresa e da empresa na família.

Para a maioria das pessoas, empresa e família são duas coisas muito importantes, distintas e que não podem, nem devem ser misturadas. Entretanto, o que observamos no dia a dia com as famílias proprietárias de empresas familiares é uma interferência direta de um sistema no outro, sugerindo a existência de dificuldades em se delimitar os campos e as funções e, sobretudo, as fronteiras entre os sistemas.

Algumas questões que costumam ser relacionadas ao entrelaçamento dos dois sistemas são: o acúmulo de papéis e funções, a divergência de objetivos de uma geração para a outra, as diferentes motivações, desejos e expectativas dos membros da família, e a sucessão – tema que tem despertado maior interesse dos estudiosos e que ainda hoje é considerado assunto tabu em muitas empresas familiares.

Enquanto o sistema familiar é baseado nas emoções, visa à nutrição, ao desenvolvimento e à proteção dos seus membros participantes, que não podem escolher se querem participar do sistema ou não e têm seus comportamentos baseados em normas de lealdade e reciprocidade. O sistema empresa é baseado, sobretudo, na razão, visa à competitividade e à lucratividade no mercado de trabalho, os participantes, na maioria das vezes, podem escolher se querem participar do sistema ou não e têm seus comportamentos e atitudes baseados nas habilidades para contribuir para o crescimento e lucratividade da empresa. (Lansberg, 1983 e Swartz, 1996)

Apesar de falar sobre 2 sistemas diferentes, se você já leu/ estudou sobre empresas familiares, você já deve ter visto o esquema abaixo, que contempla três sistemas – patrimônio /propriedade, família e gestão da empresa :

O modelo que foi desenvolvido por Tagiuri e Davis há mais de 40 anos para compreender as empresas familiares tem muito a nos revelar. Dependendo do lugar em que a pessoa ocupa na sua família e na empresa vai gerar preocupações e interesses variados.

 

Nos números 1, 2 e 3 estão as pessoas que fazem parte apenas de um dos sistemas e suas preocupação vão ser relativas a esses lugares. Nos números 4, 5 e 6 estão as pessoas que ocupam dois sistemas e no número 7 estão as pessoas que trabalham na  empresa, são acionistas e fazem parte da família.

No próximo post vou escrever mais sobre isso.

 

Motivação e Interesse pelo tema das Empresas Familiares

Desde 2002 estudo sobre empresas familiares, mas minha relação com o tema é muito mais antiga.

Eu cresci em uma família que possui empresa. Sou neta de imigrantes italianos que chegaram no Brasil com o sonho de “fare l’américa”.  Muitos dos meus amigos eram filhos de empresário e tinham uma vida bastante confortável.  E diante das minhas constatações de adolescente, consegui ver os muitos lados positivos da empresa familiar.

Me formei em psicologia, mais precisamente em terapia sistêmica de família e, comecei a me deparar com questões de dificuldades relacionais, causadas pela proximidade entre família e empresa, nas sessões de terapia.

Quando comecei a trabalhar na PUC-Rio como professora de ATITUDE EMPREENDEDORA – esse é um tema que merece um livro, vai ficar para outro momento! – encontrei uma serie de alunos que tinham feito sua escolha de carreira para agradar aos pais, alguns tinham certeza de que tinham feito a escolha errada mas ainda não sabiam qual curso seguir.

Em 2002 entrei num grupo de estudos sobre empresas familiares e aprendi muito. Descobri que existia, já naquela época, um enorme campo de estudo praticamente desconhecido no Brasil. Mergulhei de cabeça e encontrei (1) muitos artigos sobre o processo de sucessão, (2) muitos artigos falando sobre as dificuldades de passar para a geração seguinte, (3) uma série de mitos e preconceitos em torno das empresas familiares.

Em 2003 ingressei no doutorado com uma proposta muito audaciosa. Conhecer a percepção que 3 grupos de sujeitos têm sobre as empresas familiares – dos mais aos menos envolvidos com o negócio, (1) herdeiros de empresas familiares que já existiam há pelo menos 30 anos no mercado, (2) funcionários que trabalhavam em empresas familiares. Eu tinha material para 3 teses, cada um desses grupo trouxe uma enorme quantidade de informações.

Em 2007 terminei minha pesquisa e, em vez de me encaminhar para o universo acadêmico, optei por levar as informações produzidas na Universidade para a sociedade, com o objetivo de ajudar as empresas familiares  e assim surgiu o www.portaltudoemfamilia.com.br. Desde então a minha missão tem sido produzir e disseminar informações úteis e relevantes para a saúde e continuidade das empresas familiares.

Essa foto é do meu consultório e conta um pouquinho da minha formação acadêmica. Adoro estudar e ter feito o curso em teoria sistêmica me ajudou a entender que existe algo maior e diferente do que a soma das partes. Continuo estudando.

Em 2017 cursei a disciplina “family business” do curso de Economia Universidade de Padova, na Itália e aprendi diversas ferramentas que eu não conhecia.

Neste momento de quarentena, estou reinventando o meu negócio para alcançar um publico maior.

Vem surpresa por aí mas vou esperar o momento certo de contar.

O impacto da família no desenvolvimento dos empreendedores

Nesse post quero falar sobre o papel da família, e, em especial, o das mães dos empreendedores (já que estamos no mes das mães!) no desenvolvimento da carreira dos seus filhos.

Como professora de empreendedorismo, já participei de discussões calorosas sobre o tema – seja em rodas de amigos, em salas de aula, ou em defesas de mestrado e ainda não foi possível chegar a um consenso sobre diversas questões.

Empreendedorismo é algo inato ou pode ser desenvolvido? As pessoas já nascem empreendedoras?   Particularmente acredito na possibilidade de formar empreendedores, sendo empreendedorismo uma atitude diante a vida, relacionada com a possibilidade de fazer escolhas, construir coisas, adotar outros e novos itinerários.

Recentemente assisti a um filme comercializado pela Siamar recursos para treinamentos sobre o impacto exercido pelas mães dos empreendedores em suas carreiras. 

Lemonade Stories é um filme produzido pela Fifty Eggs (EUA), com o apoio do Babson College, que conta a história de sete empreendedores. O título vem da expressão “pegar limões e fazer limonadas”, ou seja, tentar achar um modo de aproveitar os limões da melhor forma.

Os empreendedores do filme fazem um agradecimento às suas mães por elas terem sempre acreditado na capacidade de realização, por terem estado sempre  por perto, por terem dado  amor, força, independência, liberdade e coragem aos seus filhos. Na opinião dos empreendedores do filme, suas mães foram suas principais incentivadoras.

Claro que não existe uma fórmula para isso, as histórias contadas no filme são muito diferentes, entretanto, uma coisa elas têm em comum: os pais e, em especial, as mães, permitiram que seus filhos descobrissem novos caminhos e, mais, deixaram que eles enfrentassem os desafios que apareceram no caminho. A necessidade de enfrentar desafios, quando comparado ao sucesso fácil graças à intervenção dos pais parece ser um impulsionador da atitude empreendedora.

Hoje vemos pais muito mais preocupados em preparar o futuro dos filhos do que em preparar seus filhos para enfrentar o futuro. Qual é a diferença?

Não temos como prever qual será o futuro dos nossos filhos, nem quando tentamos prepará-lo, mas se pudermos ensinar aos nossos filhos a lidar com as incertezas, a avaliar as situações, eles poderão enfrentar os desafios que certamente aparecerão, com mais tranqüilidade.

Pense nisso!