Será que é possível separar a vida pessoal da vida profissional?

A vida profissional está contida na nossa vida pessoal. Uma faz parte da outra e mesmo que você trabalhe em uma empresa familiar, seja empreendedora ou colaboradora de uma empresa, sempre haverá uma interferência.

Como temos papéis e funções diferentes na empresa e na família podemos separar o que pertence a um sistema do que pertence ao outro. Sim. É possível. Contudo, é importante que os limites sejam claros e bem definidos para que a gente consiga fazer essa separação.

Por exemplo, se um membro da família é gerente de RH na empresa e membro do conselho de acionistas, ela tem três papéis com funções bem diferentes. Não pode falar de treinamento e desenvolvimento no almoço de família, da mesma forma que não deve organizar a festa de aniversário das crianças no ambiente de trabalho.

Durante a quarentena, e nesses meses de isolamento social, os casais que trabalham juntos têm vivido situações estressantes. Foi estressante para todos, mas para quem trabalha junto e divide o mesmo tempo foi desafiador.

“Eu trabalho com o meu marido e vivemos uma situação bem estressante. Eram muitas cobranças o tempo todo. ”

Algumas dicas para quem vive essa situação, lembrando de que os limites são fundamentais:

– criar dias e horários para as reuniões de trabalho e que elas tenham uma agenda de temas a serem discutidos;

– ter claro quais são as funções e papéis de cada um, em casa e no trabalho. As pessoas geralmente não estipulam isso, as coisas vão acontecendo, cada um pega para si as atividades que mais gosta de fazer. Quando o volume de trabalho aumenta, com o crescimento da empresa surge a necessidade de organizar melhor as funções, atividades, metas.

– não tomar decisões com a “cabeça quente”. Nos momentos de raiva e irritação, a gente tende a dizer coisas, que geram arrependimentos para um e que o outro nunca vai esquecer.

Se você gostou do post, comente, compartilhe, marque um amigo que possa se interessar por ele.

0 comentários

Faça um comentário

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *