Motivações para Empreender – novidades no GEM 2019/2020

O GEM 2019 trouxe algumas novidades e considero a principal delas ter ampliado a motivação para empreender. Se até o relatório de 2018 as motivações eram por oportunidade ou por necessidade, agora a pesquisa oferece algumas opções e o empreendedor pode marcar mais de uma opção, a saber:

To make a difference in the world;
To build great wealth or very high income;
To continue a family tradition;
To earn a living because jobs are scarce

 

MOTIVAÇÃO PARA

EMPREENDER  NO BRASIL

   TEA – Taxa TOTAL de empreendimento inicial     TEA Homens   TEA Mulheres
Ganhar a vida

88,4%

86%

90,8%

Fazer a diferença

51,4%

49,6%

53,2%

Construir uma grande riqueza / motivação financeira

36,9%

41,9%

31,8%

Continuar uma tradição familiar

26,6%

28,8%

24,4%

Nesta pesquisa não perguntaram sobre autonomia e independência, pois essas são motivações inerentes ao empreendedorismo.

Em 35 dos 50 países pesquisados, mais da metade dos adultos que empreenderam um novo negócio o fizeram “to earn a living because job scarse”, ou seja,empreenderam porque estavam sem trabalho.  De fato, os países que aparecem entre os mais empreendedores, com as maiores taxas de novos negócios estão na América Latina e no Caribe. Dois terços dos que estão na América Latina e Caribe destacaram essa, como a sua principal motivação.

Os dados globais mostraram que os homens são mais propensos as abrir um negócio por motivação financeira e para continuar uma tradição familiar, isso apareceu em três quintos (3/5, cerca de 60%) das economias pesquisadas.

Já as mulheres parecem ser mais movidas por um propósito – muitas vezes elas iniciam um negócio para fazer uma diferença no mundo.  Em três quartos das economias pesquisas (75%)  as motivações foram “to make a difference in the world” e “to earn a living because Jobs are scarce”.

Atualizações de dados do BRASIL de 2018 para 2019

A taxa de empreendedorismo na fase inicial é de 23,3%, o Brasil ocupa a 4ª posição no ranking das 50 economias pesquisas e o número de homens e mulheres iniciando um novo negócio é muito parecido – 23,5% Homens e 23,1% Mulheres.

Quando o assunto é percentual de empreendimentos estabelecidos, aqueles em que o sócio ou fundador é remunerado por mais de 42 meses, o Brasil ocupa a 2ª posição do ranking com 16,2%.  Neste ponto a diferença entre empreendedores masculinos e femininos é maior e as causas ainda são desconhecidas. – 18,5% homens e 13,9% mulheres.

Sobre a idade dos empreendedores iniciais – eles são muito jovens. De 18 a 24 anos são 24,3%, de 25 a 34 anos são 26,1% e de 35 a 44 são 26,7%.
Apesar dos jovens terem menos acesso a recursos, incluindo aqui capital, conhecimento e experiência, eles têm menos responsabilidades, muitos não têm dependentes, não têm tantas contas e os salários no início da carreira costumam ser menores – fatores que fazem com que os jovens se arrisquem mais

Vale lembrar alguns pontos da pesquisa:

Nesta pesquisa, qualquer tipo de novo negócio é considerado empreendimento – informais, em casa, fazer doce para fora.

O GEM é realizado desde 1999 em cerca de 50 países. Na edição de 2019 foram realizadas mais de 150 mil entrevistas com pessoas entre 18 e 64 anos em 50 países.

Na metodologia adotada, a decisão de empreender é fruto de atitudes individuais, percepções e intenções. Os contextos social, cultural e político podem facilitar, promover ou desmotivar tal decisão.

Referência:
gem-2019-2020-global-report-rev-220420-1587544406.pdf

0 comentários

Faça um comentário

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *