Precisamos rever alguns conceitos já que esse “pra vida toda” dura cada vez mais

Na semana passada saiu uma notícia que os bebes que estão nascendo agora, em 2009, vão viver 100 anos com uma melhor qualidade de vida.

Já imaginaram isso? Com esse aumento da expectativa de vida alguns conceitos deverão ser revistos, o “ para a vida inteira” passa a ter um outro significado.

Tudo bem que a pesquisa está baseada em dados dos países europeus e a nossa realidade ainda é um pouco diferente, mas mesmo que nossos filhos não completem os 100 anos de vida, a expectativa de vida é cada vez maior e esse “pra sempre” dura muito.

Imagina alguém escolher uma profissão da qual não gosta só para agradar alguém? Imagina alguém não gostar do seu trabalho e saber que passará grande parte da sua vida fazendo o que não gosta? Se antes as pessoas trabalhavam no máximo 30 ou 35 anos esse tempo tende a ser mais longo em especial para quem tem um negócio próprio.

Imagina alguém permanecer por tantos anos – talvez por 70 anos – casado com a mesma pessoa? É claro que acontece, mas também não podemos negar que as pessoas se separam muito mais hoje em dia do que no passado.

Esse aumento da expectativa (e qualidade) de vida nos faz pensar em várias possíveis mudanças ..
– cada vez mais, é importante gostar do que se faz
– as carreiras podem ser cíclicas, ou seja, as pessoas podem mudar de profissão
– os casamentos podem ser vários – 1º, 2º, 3º
– se os casamentos podem ser vários, o mesmo vale para os divórcios e por isso é muito importante pensar em uma “blindagem” do patrimônio que evite a pulverização das ações da empresa
– os conflitos entre as gerações na empresa tendem a ser mais complexos, incluindo três ou até quatro gerações
– não dá mais para não pensar, não se preocupar com os relacionamentos interpessoais, cada vez mais é necessário encontrar um equilíbrio entre família, gestão e patrimônio

Como pais e avós temos a opção de não nos preocuparmos com essas questões e deixar que no futuro os membros dessa geração mais nova enfrentem essas mudanças como eles conseguirem ou então podemos ajudá-los, desde já, planejando o que estiver ao nosso alcance.

Nos posts da semana passada escrevi sobre o momento de iniciar o planejamento da sucessão, nos próximos apresentarei algumas formas de como fazer esse planejamento.

0 comentários

Faça um comentário

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *