Forças e fraquezas das empresas familiares

Por Maria Teresa de Azeredo Roscoe*

Assim como os indivíduos, as empresas familiares se destacam por características que, se bem aproveitadas, tornam-se poderosas forças; caso contrário, podem prejudicar seu desenvolvimento e a geração de riqueza.

Um dos grandes desafios das empresas familiares é manter o equilíbrio em relação aos aspectos emocionais presentes nas relações familiares e a racionalidade exigida para a tomada de decisão nas empresas.

Os aspectos emocionais presentes nas famílias proprietárias, que em muitos casos permeiam vários níveis da organização, podem ser uma grande força frente a situações adversas. Temos acompanhado vários casos de empresas familiares que superam dificuldades de naturezas diversas por terem um alinhamento adequado com o mercado cliente e fornecedores, um alinhamento entre os sócios e um nível de desenvolvimento da equipe dirigente e dos sócios condizente com os desafios impostos pelo mercado em que se inserem.

Nas fases iniciais do desenvolvimento das empresas familiares, os valores das famílias proprietárias são fator importante na ancoragem para as ações dos fundadores no sentido de construção de empresas sólidas, ágeis, com contribuição significativa para a sociedade onde estão inseridas.

Nas fases seguintes, a profissionalização se torna fundamental para impulsionar o desenvolvimento dos negócios com a clarificação de papéis, fóruns e estratégias. Este pode ser um grande desafio para fundadores que, muitas vezes, foram autodidatas, se desenvolveram sem muita necessidade de compartilhamento e, a partir de certo ponto, se veem com outros membros da família participando dos negócios. A organização desses processos de transição com a clarificação da necessidade de profissionalização de todos os envolvidos, membros ou não membros das famílias proprietárias, é fator critico para o desenvolvimento futuro dos negócios.

Alguns mercados se caracterizam por uma hipercompetição que exige preparo, organização, corpo dirigente e gerencial diferenciado, relacionamentos solidamente construídos e prontidão de respostas.

A prevalência de decisões adequadas às circunstâncias conjunturais e as necessidades de crescimento dos negócios em que estão inseridas são características marcantes no quadro dirigente das empresas que conseguem se posicionar de forma diferenciada. Neste caso, as forças advindas de serem empresas familiares são bem utilizadas, e vemos com frequência um bom nível de sintonia com o mercado e alinhamento entre os sócios quanto aos projetos estratégicos e à visão de futuro para as empresas.

A atenção a resultados e sistemas de acompanhamento adequados ao contexto em que estão inseridos é fator relevante para o sucesso dos negócios.

Na conjuntura atual, um dos aspectos que pode ter comportamento diferente em empresas familiares é a menor pressão por decisões tomadas com vista a atender necessidades de curto prazo ditadas pela visão de investidores e acionistas

Existem ainda famílias proprietárias em fase de desenvolvimento nas quais ainda não observamos um adequado nível de atenção aos resultados. Nesses casos em geral, temos de verificar como andam as relações de confiança e o alinhamento entre os sócios e o alinhamento destes com os órgãos de direção e de gestão dos negócios.

A identificação de aspectos relevantes que interferem nas relações é fundamental para a instalação de um processo de desenvolvimento que permita às empresas e às famílias proprietárias um melhor aproveitamento de suas forças.

Em famílias proprietárias com negócios longevos, temos observado ainda que a cultura de valor e a dedicação ao trabalho, a preservação da cultura das famílias proprietárias e as condições para enfrentarem situações adversas são fatores de destaque. O grande desafio se torna a passagem desta cultura para as próximas gerações, que, muitas vezes, têm a possibilidade de serem educadas com muitas facilidades, correndo-se o risco de que a cultura se perca, dando espaço para o nepotismo e para a falta de profissionalismo.

A persistência, a dedicação, o empenho sem que se meçam esforços, o empenho na superação, a dedicação ao desenvolvimento constante são ingredientes fundamentais ao sucesso das empresas familiares.

A empresa familiar continua representando a maioria dos negócios, merecendo todo empenho no sentido de serem aperfeiçoadas. A preparação adequada das famílias proprietárias é fundamental para que os ciclos de desenvolvimento continuem ocorrendo, mesmo em situações adversas, como as que vêm ocorrendo em função da crise financeira mundial.

* Maria Teresa de Azeredo Roscoe é Professora da Fundação Dom Cabral – Responsável pelo PDA – Parceria para o Desenvolvimento de Acionistas, programa direcionado a desenvolvimento de famílias empresárias.

0 comentários

Faça um comentário

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *