Feedbacks – algumas dificuldades frequentes

 

Depois dos posts sobre a importância de dar e receber feedbacks, recebi alguns emails falando sobre as dificuldades encontradas no dia a dia e por isso, continuarei com o mesmo tema.

 

Apenas falar sobre o que você gosta e o que você não gosta no outro não é feedback. O feedback é muito mais do que isso.

 

1)      É preciso que você fale ao outro quais são os comportamentos importantes que devem ser mantidos e quais são os comportamentos que não são adequados para uma determinada situação e que por isso devem ser modificados. Atenção: é importante identificar e exemplificar esses comportamentos.

 

2)      Além da identificação (e exemplificação) é preciso apresentar uma razão, uma justificativa, principalmente nos casos em que um comportamento precise ser modificado. Do contrário, nada disso faz sentido para quem recebe o feedback. A pessoa precisa entender o porque da necessidade de mudança.

 

 

Dizer ”não gostei do que você fez” não é  funcional. É o mesmo que dizer em casa para um filho “Não faça isso porque eu não gosto” ou então “Não faça isso porque eu não quero!” “ Não faça isso porque não é assim!” Quem tem filhos sabe que essas não são razões / justificativas convincentes nem educativas. E todo feedback tem (ou deveria ter) uma função educativa!

 

Dizer “essa sua maneira de se comportar é muito revolucionária (ou é muito agressiva) não é legal. Todos aqui acham a mesma coisa” também não é funcional. Não envolva os membros da sua equipe a não ser que isso já tenha sido conversado e acordado com eles.

 

3)      Sempre que você for dar um feedback tenha em mente que depois que você terminar de falar o que você havia planejado para aquele momento, a outra parte deve ter o direito de falar também. É preciso que a pessoa entenda o que está sendo dito sobre ela e o seu comportamento e que ela possa se justificar, concordar ou discordar.

 

Já ouvi histórias de pessoas que dão o feedback momentos antes de entrar em uma reunião ou de sair para um outro compromisso e isso é péssimo, pois quem recebeu aquela informação não tem tempo para conversar sobre o que lhe foi dito. Pode acontecer da pessoa que recebeu o feedback preferir conversar em um outro momento depois de já ter processado todas aquelas informações, ou seja, depois de já ter pensado sobre o que foi dito, mas esta deve ser uma decisão dela e não uma imposição por falta de tempo.

 

Pode não ser fácil, porém dar e receber feedbacks são atividades importantes para o nosso dia a dia e contribui para o enriquecimento dos nossos relacionamentos interpessoais, sejam eles profissionais, familiares ou com os nossos amigo.

 

 

0 comentários

Faça um comentário

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *